Ferramenta para limpar histórico do Facebook deve chegar este ano e pode ser ruim para anunciantes

Uma das respostas dadas pelo Facebook ao grande escândalo envolvendo a rede social e o uso dos dados de usuários pela Cambridge Analytica foi prometer uma ferramenta que permitiria limpar o histórico de informações compartilhadas com a empresa. Só que o ano de 2018 acabou e a tal ferramenta não chegou. Mas, de acordo com um executivo da empresa, ela deve aparecer este ano — e pode impactar negativamente os negócios da empresa.

• Novo vazamento de e-mails internos do Facebook revela como a rede pretendia vender dados de usuários• Moderadores do Facebook fumavam maconha e faziam sexo no trabalho para lidar com rotina infernal

De acordo com a Reuters, a informação foi dada pelo diretor-chefe financeiro da empresa, David Wehner, em uma conferência com investidores. Wehner disse que o Facebook deve disponibilizar o “Limpar Histórico” — ou “Clear History”, como o recurso é chamado em inglês — neste ano. Para os investidores, porém, a principal consequência disso é que a ferramenta pode afetar a capacidade que a rede social tem hoje de direcionar anúncios.

Faz sentido. Ao anunciar o “Limpar Histórico” na conferência de desenvolvedores F8, em maio do ano passado, o CEO Mark Zuckerberg prometeu que o recurso funcionaria como a limpeza de cookies de um navegador — fazer isso pode levar alguns sites a deixarem de se comportar da maneira esperada, mas, mesmo assim, o usuário tem a opção de fazer esse processo quando bem entender.

Limpar as informações do seu Facebook pode dificultar o funcionamento do próprio Facebook e afetar a capacidade da rede para dizer quem você é e por qual tipo de anúncio pode se interessar. Isso poderia tornar as propagandas nas redes menos interessantes para empresas. Já para os usuários, o ganho é de controle e privacidade. Além disso, como observa o Android Authority, pode ser um jeito de se livrar de propagandas chatas que te perseguem.

Ao anunciar o recurso no blog da empresa, em maio de 2018, a chefe de privacidade do Facebook, Erin Egan, disse que, ao pedir para deletar as informações, tudo que identifica a relação entre a conta e os dados é apagado. Ou seja, seu histórico continua lá, mas anônimo.

No fim do ano passado, em uma reportagem do Recode sobre a ferramenta, executivos e funcionários atribuíram o atraso a dificuldades técnicas pra reunir todos os tipos de informações coletadas pela rede social. Se eles avisaram os investidores, tudo indica que a ferramenta deve mesmo se tornar realidade.

[Reuters via Android Authority]

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 4 =