Ecstasy fez camundongos mais velhos socializarem como adolescentes

Você talvez pense em cérebros jovens como uma argila macia capaz de assumir novas formas em resposta a várias contribuições. Porém, com o passar do tempo, a argila endurece e é menos trabalhável — e, como a argila, os cérebros mais velhos podem ter menos probabilidade de mudar em resposta a novas situações. Os cientistas que fazem pesquisas em camundongos perceberam que essa analogia parece funcionar para o aprendizado de comportamentos sociais e que o MD (ou MDMA), o ingrediente ativo da droga ecstasy, pode fazer com que os cérebros mais velhos voltem a um estado mais maleável.

• Estas são as drogas que as pessoas gostam de misturar com sexo, segundo um novo estudo• As enguias do rio Tâmisa estão ficando chapadas de cocaína?• Agência dos EUA autoriza teste clínico de larga escala com ecstasy

Os estágios iniciais de maior plasticidade do cérebro são chamados de “períodos críticos”, e os cientistas têm especulado que pode haver um período crítico para o aprendizado de comportamentos sociais — que, durante esse período, o comportamento social parece muito bom. Esta nova pesquisa em camundongos apresenta evidências quantitativas da existência de um desses períodos críticos — e da reabertura desse período crítico no cérebro pelo MDMA. A pesquisa fornece uma base potencial para explicar por que o MDMA já ajudou a tratar o transtorno de estresse pós-traumático.

“Qualquer um que tenha estudado períodos críticos termina seus trabalhos com ‘por razões clínicas, seria ótimo se pudéssemos… entender como isso funciona e um dia ser capaz de abrir períodos críticos’”, disse Gül Dölen, um professor assistente no Departamento de Neurociência do Instituto de Ciência Cerebral da Universidade Johns Hopkins, em entrevista ao Gizmodo. “Fizemos as duas coisas.”

Existe um teste bem conhecido em camundongos chamado de preferência de lugar condicionado, em que os camundongos são condicionados a associar locais com coisas, e, se eles gostam da coisa, eles terão uma preferência pelo lugar. Depois de criar camundongos com outros camundongos, os pesquisadores moveram os camundongos individuais para dois novos cenários que nunca tinham visto antes: um onde estavam sozinhos e, em seguida, um cenário social com outros camundongos. Então, os camundongos foram deixados para escolher entre os dois cenários.

Os pesquisadores testaram os camundongos em 14 idades diferentes, desde logo após o desmame até os adultos maduros. A preferência pelo ambiente social atingiu o auge na adolescência, depois declinou até a idade adulta, quando eles não mostraram preferência por nenhum dos quartos. Isso demonstrou a existência de algum tipo de período crítico em torno da adolescência, em que os camundongos acharam o comportamento social recompensador.

Mas depois veio o MDMA. Os camundongos receberam pequenas injeções da droga. Então, 48 horas depois — bem após os efeitos agudos do MDMA terem passado—, os adultos mostraram preferência pela sala social. Era como se o período crítico tivesse se reaberto e os camundongos mais velhos quisessem mais uma vez estar em ambientes sociais.

Para um teste final, explicou Dölen, eles usaram “um monte de truques de genética molecular” para marcar as células cerebrais do rato que produzem e armazenam oxitocina, uma molécula cujas várias funções incluem a influência do comportamento social. A marcação permitiu que os pesquisadores estimulassem apenas essas células. Eles viram os mesmos resultados, com os camundongos com neurônios estimulados de oxitocina preferiram a configuração social 48 horas depois. Isso indica que a oxitocina desempenhou um papel na abertura do período crítico de aprendizado de recompensa social e que o MDMA, que foi ligado a essas células, poderia ajudar a reabrir o período.

Recapitulação rápida: para o conhecimento dos pesquisadores, esta é a primeira vez que os cientistas caracterizaram um período crítico como um período de achar o aprendizado social gratificante. Os camundongos foram mais sensíveis ao aprendizado de recompensa social quando adolescentes, tornaram-se menos sensíveis a essas recompensas sociais à medida que envelheciam, e o fechamento do período crítico tem algo a ver com essa mudança, de acordo com o artigo publicado na Nature.

É uma descoberta importante. “Este artigo foi bastante abrangente e convincente em seus métodos”, disse Karen Bales, professora de psicologia na Universidade da Califórnia em Davis, em entrevista ao Gizmodo por e-mail. Ela explicou que ele incluía diversas peças controladas e achou que o teste de preferência de lugar era revelador, já que “mede a motivação de um animal para interagir socialmente sem a presença de outro animal… tirando assim o fator aleatório do comportamento do segundo animal”.

Existem ressalvas, é claro. A pesquisa foi realizada com camundongos, então não está claro como as descobertas se relacionam com o comportamento de outras espécies, e a maioria dos experimentos incluiu camundongos machos. Bales disse ao Gizmodo que esperava que os autores fossem examinar as fêmeas em seguida. Ainda assim, ela explicou que isso ajuda os cientistas a entender melhor por que os animais se envolvem em comportamento social e por que a solidão pode ser um problema em adultos mais velhos.

Isso também poderia explicar o sucesso do MDMA no tratamento de pacientes com transtorno de estresse pós-traumático. “Estes são pacientes que, quando vão ao terapeuta pela primeira vez, seu período crítico já fechou há muito tempo”, e sua condição pode tê-los fechado ainda mais para a interação com um terapeuta, disse Dölen. “Se você pode reabrir seu desejo de… cuidar das interações sociais, achamos que isso poderia explicar porque essa droga está funcionando tão bem no contexto da psicoterapia psicodélica assistida.”

You may also like...