Um estudo concluiu que o jet lag é pior quando viajamos em direção ao leste

por Sophie Kleeman

Jet lag é objetivamente terrível. Ninguém é imune a ele e não há nenhuma forma de treinamento, a não ser que beber muito álcool e tomar muito remédio para dormir seja considerado um tratamento (não é). Mas, de acordo com o conhecimento popular, alguns tipos de jet lags são piores do que os outros – viajar para o leste, por exemplo, prejudica mais o ciclo do sono do que viajar para o oeste. E, nesse caso, o conhecimento popular está bastante certo.

>>> A Airbus desenvolveu um avião que promete reduzir os horríveis efeitos do jet lag
>>> As primeiras pessoas em Marte poderão sofrer com um terrível jet lag

De acordo com um novo estudo publicado na Chaos, realizado por pesquisadores da Universidade de Maryland, nos EUA, nosso ritmo circadiano natural gira em torno de 24,5 horas – pouco mais de um dia. Este tempo extra facilita a viagem em direções que alongam a duração de um dia – em direção ao oeste – do que direções que encurtam o dia – leste.

O ciclo circadiano é regulado por células cerebrais localizadas no núcleo supraquiasmático, que é encontrado no hipotálamo. Em condições normais, essas células se movem em um padrão sincronizado controlado pela exposição regular à luz. Durante uma viagem, no entanto, essa exposição é abandonada – o que resulta no jet lag.

Para testar as condições associadas ao jet lag, os pesquisadores usaram um modelo matemático para simular o que acontece com as células cerebrais durante uma viagem. O modelo produziu resultados que bateram com a dicotomia convencional leste-oeste: uma pessoa precisava de menos de quatro dias para se recuperar de uma viagem a oeste pela qual ela atravessou três fusos diferentes; seis fusos levava cerca de seis dias; e nove fusos demorava cerca de oito dias.

Para quem viajava em direção ao leste, no entanto, o período de recuperação era maior: três fusos levavam um pouco mais do que quatro dias; seis fusos cerca de oito dias; e nove fusos levava até 12 dias.

Mas considerando que cada pessoa tem um relógio interno diferente – alguns de nós temos um que dura menos do que 24 horas, outros que duram mais – as pessoas acabam se recuperando do jet lag diferentemente. “Nosso modelo sugere que a diferença entre o período natural de uma pessoa e 24 horas controla como ela experiência o jet lag,” diz a autora do estudo Michelle Girvan, uma professora de física da Universidade de Maryland, em um comunicado.

[Chaos via CNN]

You may also like...